domingo, 10 de fevereiro de 2013

O Portal



Você vem ou não?

- Estou me arrumando – Alice terminou de calçar as botas e agarrou as chaves do carro. Seu carro. O presente de seus pais, que ela realmente adorara. Que era a razão de não ter destruído o carro.

Esse carro realmente subiu à sua cabeça!

- Está com inveja.

O riso desavergonhado de Bianca soou em sua mente.

Porque estaria? Vou usá-lo tanto quanto você... Possivelmente mais.

- Vá sonhando – Alice zombou. Mas estava sorrindo enquanto o fazia, sabendo que seria incapaz de resistir à amiga. Bianca era sua melhor e única amiga há oito anos e a única pessoa, além do motorista, que havia tornado sua existência suportável. A mãe de Bianca havia sido a primeira governanta que seus pais contrataram quando a abandonaram. A governanta arrastara consigo uma menina magricela e sardenta, com um cabelo tão incontrolável quanto sua curiosidade. Uma semana após estar em sua casa a garota entrara em seu quarto à noite, escondida, e perguntara tranquilamente se ela estava mesmo possuída pelo demônio. Tornaram-se amigas na mesma noite, para desespero da mulher que acreditava que a filha estava sendo influenciada pelo Mal.

Felizmente, para Alice, seu pai estava certo quanto a lealdade que um salário realmente alto pode comprar. Mesmo assustada e preocupada com a filha, a governanta não abandonou o emprego. Pelo menos não até surpreendê-las na piscina, dois anos mais tarde, brincando de Moisés Abrindo O Mar Vermelho.

Naquele dia, antes que a mãe de Bianca a arrastasse para fora de sua vida, ela forjara um vínculo de sangue com a amiga, finalmente se abrindo para a antiga magia que impregnava sua alma. E foi assim que Ele a encontrou.

Não pense nisso.

Estou derretendo aqui fora! Bianca novamente.

- Estou indo!

Alice inclinou-se rapidamente sobre a cama para acariciar o sedoso pelo do gato negro confortavelmente instalado sobre ela. Sentiu, antes de ouvir, apenas pela repentina postura agressiva do gato, que dona Antônia, também conhecida como A Vadia Má do Inferno, acabara de abrir a porta do seu quarto.